A arte do relacionamento!

sergio-muriloRelacionar-se é um aprendizado sem fim, é aprender a ceder muitas vezes mesmo achando-se certo, é entender a si próprio a partir do outro e suas manifestações.

É calar-se quando a voz da ofensa subir com braveza até a garganta querendo agredir com “verdades” indefensáveis que teriam que fazer o outro se calar.

Relacionar-se é exercitar a paciência conosco para que também possamos tê-la com os outros, é procurar entender o outro antes de insistir teimosamente para que ele nos entenda primeiro!

Texto produzido por nosso companheiro “Sergio Murilo”

Dependente químico e limpo das drogas há 41 anos

Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
Clínica Grand House
Por Uma Vida Sem Drogas
 

Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 

Como as empresas estão lidando com funcionários dependentes químicos?

sergio-fotoSegundo a Associação Brasileira de Apoio às Famílias de Droga dependentes (Abrafam), estudos revelam que 80% dos usuários de cocaína e 70% daqueles que consomem outras drogas ilícitas são funcionários de empresas. Por isso, as empresas estão cada vez mais orientadas a adotarem programas de prevenção e tratamento sobre o tema.

A dependência química custa milhões de reais às empresas. Os dependentes químicos na ativa estão mais aptos a ficarem doentes, mais predispostos a acidentes de trabalho e lesões do que outros funcionários e causam danos diretos e indiretos a seus colegas de trabalho. Ou seja, prejuízo e danos para as empresas aonde trabalham.

No Brasil, metade das faltas e 40% dos acidentes de trabalho estão ligados à dependência química, principalmente do álcool. Para solucionar o problema, em vez de demitir, muitas empresas estão começando a oferecer aos seus funcionários serviços de prevenção e tratamento.

Como resultado da a implantação de programas de reabilitação dentro das empresas, observa-se que um funcionário dependente, quando participante do programa, chega a produzir cerca de 60% a mais do que um funcionário que nunca teve problemas com quaisquer dependências. Ou seja, realmente vale a pena o investimento das empresas nesse sentido.

Além de existirem recursos governamentais e jurídicos que permitem à empresa ser ressarcida do valor gasto com a recuperação de seus funcionários, acaba sendo mais lucrativo para as empresas tratarem um funcionário dependente químico do que o demitir.

Temos observado, no entanto, que usuários de drogas são encaminhados aos nossos consultórios e clínica, em número cada vez maior, pelas empresas que não sabem como lidar com este dilema. Percebe-se que ainda existe um tabu com programas de prevenção e combate ao uso de drogas, nas organizações e meio empresarial como um todo. Álcool, maconha e cocaína, entre outras drogas, são frequentes no ambiente de trabalho, mas seu uso muitas vezes passa despercebido.

É preciso que a empresa esteja “atenta” para algumas mudanças de comportamento de seus funcionários assim como queda na produtividade, apatia, ausência, agressividade – entre outros fatores – para que possa então identificar o que está acontecendo e intervir oferecendo o tratamento adequado.

É de extrema importância que, tanto empresas quanto funcionários, tratem a questão com o maior zelo possível, para que os direitos de todos sejam garantidos e para que não haja comprometimento do ofíci`o.

Um exemplo de empresa que se preocupa com o bem-estar e a saúde de seus funcionários é a Furnas Hidroelétricas.furnas

Agora todos os funcionários da Furnas Hidrelétrica que sofrem com dependência química (álcool e outras drogas) podem passar pelo tratamento adequado!

A Clínica Grand House acaba de firmar parceria esta empresa de geração, transmissão e comercialização de energia elétrica, que é comprometida com a responsabilidade social e que considera o meio ambiente uma componente fundamental no desenvolvimento de suas atividades.

A Furnas tem mais de 21 programas ambientais, entre os quais os de Monitoramento Hidrológico, da Ictiofauna e Limnológico, da Qualidade da Água e os de Manejo e Conservação da Fauna.

Parabéns a Furnas Hidrolétrica por mais esta iniciativa, que outras empresas sigam o mesmo exemplo!

Se você tem problema de dependência química na sua empresa, entre em contato conosco. Podemos ajudar, somos especialistas em Prevenção e Tratamento da Dependência Química e referência no Brasil há mais de 15 anos!

Sergio Castillo
Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 
Por Uma Vida Sem Drogas 
Clínica Grand House
Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas 

 

O que existe por trás da raiva?

sergio2

Raiva é um sentimento normal. Sentir raiva cabe em certas circunstâncias. Porém para algumas pessoas é difícil ter consciência da raiva porque elas temem senti-la e expressá-la – o que pode resultar disto? Normalmente as pessoas têm medo de ser rejeitadas por sentirem raiva. Será que é vergonhoso sentir raiva?

Reprimir a raiva pode ser um modo de se proteger de algo que gostaríamos de evitar. Mas, enquanto a raiva for reprimida e não se buscar a origem, o conflito interno permanece.

Muitas vezes a raiva reprimida, a mágoa antiga, a não aceitação de diversas situações do passado pode resultar em doenças… inclusive na própria dependência química.

O que pode estar por trás da sua doença? O que está por trás de toda a raiva que você sente?

Será que é uma enorme necessidade de ser aceito, de receber carinho, admiração, reconhecimento, aprovação? Não ter recebido nada disto no passado e continuar ainda não recebendo podem gerar um sentimento de mágoa muito grande.

As mágoas sempre estão ligadas a situações de não consideração por parte do outro e são originadas na infância, muitas vezes desde o nascimento. São experiências que podem ser muito sutis, porém em algumas situações podem ser gravíssimas.

Sempre que você sentir mágoa ou raiva tente reparar em todos os sentimentos presentes e vá tentando buscar correlações com sua história de vida. As experiências mais graves são fáceis de serem lembradas, porém as mais sutis não e elas também causam muita mágoa.

Um bom detector que indica se a mágoa de hoje está relacionada com episódios do passado é a repetição dos eventos. Por exemplo, uma pessoa que muda de parceiro ou muda de trabalho e sempre se depara com as mesmas reclamações e sentimentos está presa nas situações do passado e as repetindo no presente. Isso já ocorreu alguma vez com você?

Se isto sempre acontece é necessário então fazer um resgate dessas emoções e situações, compreendê-las para assim transformá-las e diluí-las. Somente após esse processo você conseguirá vivenciar as experiências de outra maneira, livre das mágoas do passado.

É importante ter a consciência de que sem o aprofundamento e conhecimento do nosso interior dificilmente seremos livres e prósperos. A prosperidade incluí saúde física e emocional, felicidade, dinheiro, amor consigo e para com os outros, perdão ao outro e a si próprio, doação, entrega às experiências da vida com menos resistências internas. Se você tem sentimentos ruins atrapalhando sua vida, acaba bloqueando a prosperidade!

É necessário cuidar do mundo interior e emocional para diminuir o sofrimento e evitar atitudes destrutivas para com os outros e para si próprio. Direcionar a raiva ou ódio, provenientes de mágoas antigas, aos demais ou a você mesmo não solucionará nenhum problema, muito pelo contrário, trará muito mais sofrimento.

É fundamental entender o porquê da sua raiva, da sua mágoa… entender que outros sentimentos existem por trás da raiva, isto poderá ajudar a resolver uma boa parte do problema.

Busque ajuda de profissionais, de amigos, de grupos de apoio sempre que sentir que não consegue resolver esses sentimentos sozinho. O importante é não se isolar e reprimir os seus sentimentos, pois eles certamente se transformarão em doenças!

Sergio Castillo

Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 
Por Uma Vida Sem Drogas 
Clínica Grand House
Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas

Você tem medo do quê? 

sergio_fotoQual são os seus medos? Quais são os fantasmas que lhe assombram diariamente?

O fantasma do chefe no serviço ou do colega de trabalho que disputa com você pela tão esperada promoção? O fantasma da falta de grana, das contas no fim do mês, da sensação de que seus esforços são sempre em vão?

O medo de não ser um bom pai ou mãe de família ou o medo de sequer poder constituir uma? O medo de ser traído pelo seu cônjuge? Ou o medo de não conseguir um cônjuge? A vergonha de declarar-se para alguém ou o medo de se arriscar em busca do grande amor?

Você já não vai às festas ou aos bailes por medo de dançar? Tem medo de parecer ridículo? Já sentiu medo de não dar conta de um monte de problemas? E o medo de não conseguir ser amado por ninguém? O medo de ser abandonado pelas pessoas que você ama? Medo da solidão? Medo de envelhecer? Medo de estar entre a multidão? Medo da chuva? Medo de sair na rua? 

Você tem medo do fracasso? Medo do sucesso?  Você tem medo de largar tudo para viajar o mundo? Tem medo de viajar?

E o medo de dizer eu te amo? Medo de não ser aceito? Medo do escuro? Medo da claridade? Medo de baratas?

Você ainda não sabe qual é o seu maior medo?  Por que temos medo de tantas coisas na vida?

O medo é uma reação natural que nosso organismo possui em face de algum perigo, porém em algumas pessoas e/ou alguns casos o medo se torna um inimigo terminal para o homem.

Originado por estímulos estressores enviados ao cérebro, a sensação do medo desenvolve uma reação que libera compostos químicos pelo organismo, causando aceleração dos batimentos cardíacos, da respiração e enrijecimento dos músculos.  

O medo normalmente funciona como um sinalizador, ajudando a pessoa a se preparar para alguma situação de perigo, como, por exemplo, passar por uma grande tempestade.  Entretanto, o medo além da medida e que paralisa as pessoas é considerado fobia, fazendo elas se esquivarem de algum problema real (ou até imaginário).

Existem vários tipos de tratamento para os mais variados medos e o tratamento é aplicado de acordo com a manifestação do medo e seu grau de intensidade.

Há pessoas que possuem medo de altura e não olham pela janela de um apartamento no 18º andar e pessoas que tem medo de altura e não vão a um apartamento no 18º andar.

Geralmente, após a evolução através do tratamento, o indivíduo com o medo patológico pode voltar a ser exposto gradualmente ao agente que o induz a sentir medo até que consiga superar completamente. 

Seja qual for o seu medo não deixe que ele tome conta de você, não deixe que isso lhe paralise! Se os medos que você sente estão lhe causando desconforto, problemas na vida pessoal ou profissional, é preciso buscar ajuda especializada. Não fique sozinho com esses sentimentos, existem centros de tratamento, grupos de apoio, profissionais especializados!

Um tratamento eficaz mudará o seu modo de pensar e as suas atitudes e proporcionará um desenvolvimento psicológico maior, favorecendo o crescimento pessoal e aumentando as chances de ter uma vida mais feliz. 

Você tem medo do quê? Pense nisso!

Sergio Castillo
Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 
Por Uma Vida Sem Drogas 
Clínica Grand House
Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas

Você já se perdoou?

foto-sergio2Com freqüência passamos por situações que nos causam sofrimento provocadas por amigos, cônjuges, familiares, chefes, colegas de trabalho e em cada situação, por reagirmos com inabilidade ao não termos conseguido o que queríamos, cria-se um sentimento negativo.

Alimentamos rancores, sofrimentos e sentimentos diversos que nos incomodam. Algumas pessoas lidam com circunstâncias dolorosas sem se aborrecerem e adaptando-se à dificuldade, porém a grande maioria desenvolve mágoas e permanecem atoladas nela durante anos.

Ao guardar ressentimentos ou apegar-se a mágoas, a vida pessoal e profissional é desorganizada, tomam-se decisões equivocadas e liberam-se no corpo substâncias químicas associadas ao estresse.

A raiva ou mágoa mantida por um período longo quase sempre é inútil, levando à frustração, desesperança, relacionamentos arruinados e problemas de saúde.

A vida não é perfeita, mas podemos aprender a sofrer menos. Podemos aprender a perdoar e podemos aprender a nos curar.

O perdão significa que encontramos a paz de espírito, embora estivéssemos sofrendo e fôssemos maltratados. Perdoar significa tocar a vida para frente, significa que ficamos mais responsáveis por como nos sentimos; que aprendemos a assumir os acontecimentos dolorosos em termos menos pessoais.

freedom-350x230-1O perdão significa que nos reconectamos com a intenção positiva. Significa mudar a história sobre a mágoa e que tomamos melhores decisões para orientar a vida; nos faz sentir melhor.

Podemos escolher entre ficar paralisados na dor e frustração do passado ou buscar o potencial do futuro. É uma opção que todos podemos fazer e é uma opção que nos conduzirá a uma vida mais saudável e feliz.

Esquecer e perdoar: processo complicado?

Pode ser complicado tentar esquecer algo, pois cada tentativa pode nos lembrar justamente da coisa que tentamos deixar para trás. A dica seria entender que perdoar não significa considerar que não houve dano, perdoar não significa que passaremos a gostar do que aconteceu. Minha visão do perdão seria: Perdoar é combinar consigo mesmo que vai parar de focar no que aconteceu e passará o seu olhar para novas situações. Eu considero que perdoar é muito mais um ato voltado para nós mesmos do que voltado àquele que nos causou dano.

Qual a importância do perdão na recuperação da dependência química?

Os 12 passos nos ensinam o quanto é importante perdoar e ser perdoado. Um dos principais objetivos dos 12 passos, além de atingir a sobriedade, é de conscientizar a todos os dependentes que existe uma necessidade de reconhecimento de que ele é impotente perante o álcool e as drogas, conscientizá-lo dos seus erros e atitudes do passado e repará-los através do amor e do perdão.  

A partir do momento que o dependente químico encaixa em sua vida todos os DOZE passos, ele começa com maior facilidade a dominar suas vontades e a prática deles em sua rotina diária o ajuda a ter maior facilidade para manter a sua sobriedade e permanecer em recuperação com um coração livre de culpa, rancor e mágoas.

Viver com mágoas é viver em prisão! Liberte-se! Busque ajuda!

Sergio Castillo
Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 
Por Uma Vida Sem Drogas 
Clínica Grand House
Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas

 

O que você faz quando se sente sozinho?

solidaoA solidão é um sentimento no qual o ser humano sente uma profunda sensação de vazio e isolamento; é um sentimento muito maior do que estar simplesmente desacompanhado.

Estar sozinho pode ser visto como uma experiência positiva, prazerosa e trazer alívio emocional para as pessoas que não sofrem de solidão ou pode ser uma experiência totalmente desagradável e agonizante para as pessoas que padecem de solidão.

Qual a grande diferença entre o “estar só” e a solidão?

A grande diferença é que estar só pode expressar o prazer de estar sozinho, enquanto que a palavra “solidão” pode expressar a dor de sentir-se sozinho.

Milhões de pessoas sofrem diariamente de solidão, um sentimento acompanhado de uma profunda sensação de vazio, falta de controle e total abandono.

O isolamento físico pode contribuir para sentimentos de solidão, porém as pessoas podem muitas vezes sentir-se solitárias estando em um casamento, convivendo com a família ou estando no meio da multidão.

Como a solidão relaciona-se com a dependência química?

A dependência química em álcool e outras drogas costuma ser classificada como a doença da solidão. Esta doença tem o poder de afastar o adicto das demais pessoas, fazendo com que apenas dialogue consigo mesmo.

Isto porque um dos efeitos das drogas é fazer com que o dependente químico se sinta depressivo, sozinho e isolado, mesmo estando em meio a centenas de pessoas.

Este isolamento não é apenas mantido pela sociedade que o descrimina, mas pelo próprio dependente, que passa a apresentar uma visão distorcida da realidade, torna-se mais agressivo e intolerante e passa a repudiar as pessoas que antes faziam parte de seu convívio comum. Ele vai dar prioridade apenas aos seus companheiros de uso.

Com o passar do tempo e a evolução da doença, o dependente passa a se isolar cada vez mais, consumindo maiores quantidades da droga e sozinho, em locais onde não será incomodado e este ciclo vai se tornando cada vez mais vez mais forte.

Quando este mesmo indivíduo é encaminhado para um tratamento, a ressocialização deve fazer parte de seu processo de recuperação para que possa ir retomando sua vida junto à sociedade e familiares e ir reaprendendo e se relacionar com as pessoas.

Manter o dependente químico isolado devido ao estigma criado, é torná-lo vulnerável para retomar padrões de comportamento anteriores – que o levarão novamente ao uso de substâncias.

Não podemos esquecer que a grande maioria dos dependentes, encontraram em seus “amigos” ou “parceiros de uso” alguém que os escutavam, que os compreendiam e os aceitavam – pois muitas vezes sentiam-se verdadeiros estranhos dentro de seus próprios lares.

Portanto, a solidão e o isolamento são o pior caminho para um dependente químico. Quando um adicto em recuperação se sentir sozinho deve buscar ajuda de seu grupo de apoio, deverá jamais se isolar.

Um dependente químico em recuperação tem o desafio eterno de aprender a se relacionar, a ouvir e participar efetivamente da vida das pessoas com quem convive e ama.

Sergio Castillo
Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483-4524 / 4419-0378

Siga-nos em nossas fan pages: 
O Piloto por Uma Vida Sem Drogas 
Por Uma Vida Sem Drogas 
Clínica Grand House
Clínica Grand House – Por Uma Vida Sem Drogas

 

 

Novo Conselho Municipal de Políticas de Álcool e outras Drogas em Mairiporã

img-20161005-wa0001Foi constituído oficialmente no dia 04 de outubro de 2016, na cidade de Mairiporã, o COMAD – Conselho Municipal de Políticas de Álcool e outras Drogas.  

E a Clínica Grand House, representada pelo seu diretor terapêutico, psicólogo e especialista em dependência química, Sergio Castillo, não poderia deixar de participar desta iniciativa e proporcionar sua contribuição através do aconselhamento para o tratamento e prevenção de álcool e outras drogas.

AFINAL, O QUE É O COMAD?

O COMAD é um órgão vinculado à Secretaria de Saúde de Mairiporã, que coordena as ações de prevenção ao uso indevido de álcool e outras drogas no município.

O COMAD também coordena, desenvolve e estimula programas de políticas municipais que visam o atendimento das pessoas em situação de uso abusivo de substâncias psicoativas.

POR QUE EXISTE O COMAD?

O aumento progressivo do uso indevido de drogas tem sido detectado no mundo todo como um problema de saúde pública. Existem dados que relacionam o uso de drogas com o índice de acidentes, internações hospitalares, evasão escolar, distúrbios de personalidade, entre tantas outras situações que poderiam ser evitadas com políticas preventivas, de saúde e educação, de reinserção social e tratamento como forma de redução de danos.

As ações repressoras, embora muitas vezes necessárias, não são suficientemente eficazes, uma vez que o problema, disseminado na sociedade, tornou-se questão de saúde pública.

Por isso, o COMAD tem como objetivo desenvolver e estimular atividades de prevenção, tratamento e reinserção social procurando integrar todos os segmentos sociais, assegurando a maior participação possível dos movimentos comunitários.

Entendemos como prevenção a conscientização da comunidade, de forma não moralista ou preconceituosa, pelo contrário sendo o mais realista possível e de acordo com o contexto em que vive nossa desinformada sociedade.

Clínica Grand House
http://www.grandhouse.com.br
11 4419-0378 /  99142-8360