Quando o “gostar” de sexo se transforma em “compulsão”?

compulsao sexual.jpgAlém de ser um termômetro do relacionamento, o sexo também faz bem para a saúde e ainda ajuda a queimar algumas calorias. Mas a compulsão por sexo pode se tornar um problema!

É muito fácil diferenciar o comportamento normal de um doentio em relação ao sexo: entre os dependentes, o sexo é uma prioridade, independentemente de onde estiver e com quem estiver – representa muito mais do que um desejo.

Quem sofre de compulsão sexual tem seus pensamentos totalmente tomados por desejos eróticos a todo momento e a busca incessante por satisfazer estes desejos sexuais expõe estas pessoas a diversos riscos.

A pessoa abre mão da hora do almoço, falta ao trabalho ou se ausenta de suas atividades para procurar um parceiro ou para se masturbar. Nada é mais importante que isso, nem o lazer, nem as relações sociais, nada.

Uma pessoa que não tem o distúrbio pode se sentir atraída por alguém, mas resiste à tentação de abordá-la. Com o dependente isso é diferente. Ele não consegue ‘negociar’ com seus desejos.

E o pior é que quanto mais o dependente faz sexo ou se masturba, mais ele tem vontade de repetir o ato. Como um dependente químico, esse indivíduo vai precisando de doses cada vez maiores de dopamina, liberada pelo cérebro, toda vez que há sensação de prazer. A diferença é que ele não precisa de um fator externo, como a droga ou o álcool, para que haja essa descarga hormonal.

Ninguém se torna dependente de sexo da noite para o dia ou a partir de uma experiência desagradável. Tanto o homem como a mulher apresentam os comportamentos característicos da doença entre o final da adolescência e o início da vida adulta. É nessa fase que eles começam a se interessar exageradamente por sexo. Entre os 20 e os 30 anos, o problema ganha intensidade.

Como não têm autocontrole, os compulsivos por sexo costumam se sentir culpados e, consequentemente, passam a se autodepreciar. Os relacionamentos mais próximos também podem ficar abalados, especialmente se a mulher ou o homem tiver parceiros fixos.

Uma pessoa que não consegue ter uma vida normal devido seus impulsos sexuais necessita fazer um tratamento sério e adequado para que possa ter uma vida saudável em todos os aspectos, não só a vida sexual.

E para buscar ajuda os pacientes devem recorrer a serviço médico que ofereça atendimento com psiquiatras e psicólogos para tratar sua relação desequilibrada com a sexualidade.

Não há cura, porém, a relação com a dependência pode ser revista e mesmo modificada. O que o tratamento vai dar para a pessoa é a possibilidade dela escolher o que vai fazer com seus impulsos.

Sergio Castillo
Clínica Grand House
www.grandhouse.com.br
Tel: 11 4483 4524 / 4483 4684

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s